#Estudos

Autossabotagem VS Bloqueio Criativo

O que está rolando comigo?

Allie
Publicado em
29 de abril de 2021

Sendo um artista, com certeza você já escutou algum desses dois nomes, seja de algum amigo ou mesmo se percebeu com um deles. E não tem pior sensação do que ter que lidar com ambos, mas você sabe diferenciar a autossabotagem do bloqueio criativo ? 

Apesar de essas duas condições levarem ao mesmo efeito final, não conseguir produzir, a forma de lidar com elas é completamente diferente e claro, é EXTREMAMENTE IMPORTANTE não se auto diagnosticar e, sempre que possível, buscar ajuda profissional.

Porém hoje vou contar um pouco como eu lidei com o maior bloqueio criativo da minha vida, eu fiquei 5 meses sem conseguir desenhar sequer um bonequinho palito…

Mas vamos com calma… Primeiro, o que são essas duas coisas?

Mesmo sendo bem nítido o significado de cada uma, é interessante saber suas definições pois, muitas vezes, elas podem se misturar e nos confundir.

Autossabotagem: um tipo de defesa criada pela nossa mente

A autossabotagem é definida pelo “medo que a pessoa tem de correr riscos ou assumir novas responsabilidades”. Quando você recusa uma oportunidade por achar que não tem capacidade ou quando deixa que outros decidam sobre sua vida, pensando que “são sabe o que fazer”.

Existe toda uma base psicológica atrás da autossabotagem e, por isso, é muito importante que essas questões sejam sempre levadas para um psicólogo. Mas, resumidamente, isso ocorre porque, desde a infância, as pessoas são levadas a não acreditarem em si mesmas e a focar apenas em seus próprios erros.

A consequência disso é a criação de diversas crenças limitantes e medos. Logo, cada oportunidade que a pessoa tem de se arriscar e conquistar algo novo, a ideia de desistir se torna bem atraente, pois dessa forma ela se mantém em sua zona de conforto, de acordo com a matéria divulgada pela Sociedade Brasileira de Inteligência Emocional, em 2019.

Bloqueio Criativo é um aviso, não uma maldição!

Já o bloqueio criativo é algo mais conhecido por nós, artistas! É sempre bom lembrar que ser criativo não significa que você terá ideias bacanas a todo momento como um botão que você precisa só acionar e pronto. Também é interessante entender que o bloqueio criativo é algo comum e que chega sem avisar, mas que não é algo possível de “nunca ter”.

Geralmente, o bloqueio criativo é visto como um esgotamento de ideias, ou mesmo um “branco” eterno sem saber como podemos dar o próximo passo. É muito importante entender que sempre existe uma causa para isso, e você precisa parar e pensar: o que está sugando suas energias? Pode ser uma busca incessante pela perfeição, o medo de não superar as expectativas ou até mesmo estresse. Se você está em um bloqueio criativo, provavelmente é sua mente tentando mostrar que algo está errado e você precisa parar e refletir sobre o que está acontecendo.

Agora com tudo explicadinho, como eu me encontrei em um bloqueio criativo de 5 meses e, o mais importante, como eu saí dele?

Vou começar explicando que eu não fazia a mínima ideia de que eu estava mesmo com um bloqueio criativo na época, apenas hoje, alguns meses depois, que eu tenho entendido melhor o que rolou. Então, não se sinta mal por não se perceber em uma situação como essa e é sempre bom reforçar que tive muita ajuda de um profissional da psicologia.

O contexto é o seguinte: eu tinha acabado de voltar a gostar de arte e ver que esse hobbie poderia ,sim, ser um trabalho (se quiser falei um pouco sobre esse assunto AQUI! Por conta dessa volta do amor pela arte, eu estava muito animado, tanto que cheguei a comprar vários cursos da Revo, porque meu objetivo era ser artista! E bem… você já pode imaginar o que aconteceu, certo? Me peguei fazendo, ao mesmo tempo, um curso de pintura digital, outro de fundamentos de desenho e outro de concept art todos com feedback… Não demorou muito para eu “quebrar” e tudo aquilo se tornar algo extremamente cansativo e desgastante pra mim.

Até que chegou o dia em que percebi que não sentia mais vontade de desenhar, ou de fazer as tarefas… O sonho de ser artista tinha morrido? Não… Mas eu simplesmente não me sentia bem fazendo aquilo. Foi então que eu só abandonei tudo (não conscientemente, eu só abandonei mesmo), apenas 5 meses depois eu voltei a desenhar. Você conseguiu perceber onde o bloqueio criativo e a autossabotagem estavam?

Agora, vamos por partes

Começamos pelo fato de que nessa época eu estava na faculdade ainda. 

Primeiro de tudo, criei uma enorme expectativa por voltar a sentir um amor pela arte e essa animação me fez cair no primeiro boicote:

“Eu vou fazer os três cursos logo, eles vão começar em datas diferentes, mesmo que uma hora eu tenha que fazer tarefas na mesma semana eu já vou estar bem acostumado e vai dar bom”

Até esse momento eu estava bem pleno desenhando sempre, fazendo as tarefas e sendo um aluno exemplar, mas aí as coisas começaram a apertar… o bloqueio criativo começou a surgir e, aos poucos, eu ia perdendo a “vontade de desenhar” sem entender muito bem o que estava acontecendo.

Lembra que a autossabotagem cria uma ideia limitante de si mesmo? Nesse momento eu sentia que nunca conseguiria ser artista e aí outro sentimento conhecido por nós artistas entrou no jogo, a síndrome do impostor… Combinação perfeita pra eu simplesmente desistir e não terminar um dos cursos.

Mas qual o ponto aqui? O bloqueio criativo foi meu inimigo? Não. Eu gostei? Também não. O mais importante é que esse bloqueio foi a minha mente mandando eu parar porque as coisas não iam funcionar. E aí que rolou a grande reviravolta, eu parei de desenhar (vale ressaltar que sim, eu me sentia muito mal por não conseguir mais fazer aquilo) mas eu me forcei a gastar energia com outra coisa, que no caso na época foi jardinagem e meu TCC, apenas meses depois eu fui voltar bem aos poucos a desenhar.

Mas e se eu nunca mais voltar a desenhar? 

O ponto é que você nunca vai parar 100%, mas vale sempre ressaltar que toda essa “evolução” e percepção minha só foi evoluindo porque tive ajuda de um psicólogo que me fez perceber esses pontos. Então sempre procurem ajuda quando sentirem que não estão entendendo o que tá rolando contigo. A autossabotagem é só um ponto mas podem existir muitas outras questões que influenciam como um todo no seu nível de produtividade.

Depois que eu voltei a desenhar, senti que estava enferrujado, mas com o tempo e mais alguns estudos e venho evoluindo. A diferença é que agora desenhar não tem um peso enorme pra mim e se eu não tiver bem pra produzir hoje beleza, vou fazer alguma outra coisa que não seja desenho e tentar esfriar minha cabeça. Às vezes a gente se coloca muita pressão e nosso processo de produção acaba se tornando muito tóxico (você também pode ver um texto que falei sobre isso aqui).

A moral disso tudo

A gente precisa aprender e naturalizar mais o cuidado com nossa mente e começar a perceber mais o que nosso corpo tenta nos dizer. Cada situação é uma e é preciso parar e tentar ver a situação de um ponto de vista externo. E sempre buscar ajuda quando sentir que não vai conseguir lidar sozinho.

Eu não parei de me auto sabotar hoje ou mesmo de ter bloqueio criativo, a maior diferença é que agora eu sei os motivos e busco conviver com isso de maneira que não me atrapalhe tanto e isso é muito possível!

Se alguém quiser bater um papo comigo ou até mesmo desabafar sobre isso, pode me chamar no inbox do Instagram (@oalliesantos) ou mandar um alô no Instagram da Revo ou do RevoSpace!

Link do post copiado para a sua área de transferência

Enviar Comentário

Como outras linguagens artísticas podem ser importantes para o meu repertório?

Listamos alguns motivos para você incluir a pesquisa por outras expressões de arte na sua rotina. Ah, por falar nesse Ler mais

Preciso de Faculdade para ser Artista?

Com certeza, em algum momento da sua jornada como artista, você deve ter tido algum questionamento parecido com esses: uma Ler mais

O Guia do Character Design

Design de personagens é uma das maiores paixões dos artistas, sejam eles de 2D ou de 3D, com certeza! E, Ler mais

Como criar seu próprio mundo

Oi, se você é artista e assim como eu gosta de escrever já deve ter se perguntado. “Como eu crio Ler mais