#Estudos

Produzindo Imagens que Contam Histórias

Giana
Publicado em
28 de agosto de 2020

Quem nunca se viu imerso na história que uma imagem provocou em você? Já diz o ditado que “uma imagem vale por mil palavras”… Se é importante que histórias escritas tenham uma narrativa cativante, pensar o conceito de narrativa visual para as artes que você cria pode ser uma boa maneira de estudar e se aprofundar em estudos da imagem.

A fotografia documental é um gênero capaz de capturar imagens poderosas e com voz própria e pode ser uma boa aliada para que você estude luz e sombra ou retratos e expressões faciais. Com isso, você vai adquirir mais percepção da face humana ou de cenários registrados pelas lentes.

E quais bons elementos uma imagem precisa ter para contar uma história? Bem, acho que para isso não existe uma fórmula certa e vai depender muito dos seus estudos e experiências. Cada artista é único e vai criar artes únicas quando estiver atento e sensível ao seu redor. Mas ampliar o seu olhar do mundo, com certeza vai te dar pistas de como chegar lá e desenvolver seu próprio estilo…

Humano, uma viagem pela vida

É um documentário feito a partir de entrevistas com 2.020 pessoas, em 63 línguas e de 60 países diferentes. Está disponível em HD no Youtube e vai da parte 1 a 3.

“Eu sonhei com um filme em que a força das palavras ampliasse a beleza do mundo. As pessoas me falaram de tudo; das dificuldades de crescer, do amor e da felicidade. Toda essa riqueza é o centro do filme HUMAN. Esse filme representa todos os homens e mulheres que me confiaram suas histórias. O filme se tornou um mensageiro de todos eles“.

Yann Arthus-Bertrand

O fotógrafo e cineasta Yann Arthus-Bertrand propõe uma forma de escuta do outro para entender a essência humana e refletir sobre o que somos e o que queremos não apenas como indivíduos, mas também como sociedade.

Os registros nos mostram trabalhadores, camponeses, aborígenes, refugiados, soldados, rebeldes, prisioneiros sentenciados à pena de morte, mães, pais, maridos e mulheres que compartilham um pouco de quem são e como enxergam o mundo nos mais diferentes contextos.

São retratos muito potentes e paisagens surpreendentes que nos mostram toda a força que uma imagem pode ter. Todo esse mosaico da natureza humana, intercalado com imagens aéreas de tirar o fôlego mostram as belezas e os impactos provocados pelo homem e nos fazem repensar sobre nossa relação com o planeta.

“E foi em rostos, olhares e palavras onde encontrei uma poderosa forma de alcançar as profundezas da alma humana. Cada encontro te aproxima mais. Cada história é única. Ao explorar as experiências do outro, eu estava à procura de respostas”

Yann Arthus-Bertrand

Sebastião Salgado

Sebastião Salgado é um fotógrafo brasileiro e pela importância das imagens que registra já recebeu os principais prêmios internacionais de fotografia. O documentário “Sal da Terra” relata um pouco sobre o artista e foi finalista do Oscar em 2015.

Com uma temática crítica e social bem acentuada, suas fotografias mostram desde a América Latina a trabalhadores rurais e aos movimentos migratórios ao redor do planeta. Uma das suas marcas é a fotografia em preto e branco.

“Eu adorava a pintura, fotografava obras em preto e branco de Rembrandt. Comecei a ver que podia criar essas mesmas luzes e profundidades. O fotógrafo deve transmitir o que seu olho vê no momento de disparar, é preciso romper os limites da câmera. E ver o que os outros fazem não significa nada, cada um tem suas luzes interiores. A fotografia é feita com o passado de cada um, com sua ideologia.”

Sebastião Salgado

O conjunto de imagens registradas por Sebastião Salgado ao longo de mais de quatro décadas testemunham a dignidade fundamental de toda a humanidade ao mesmo tempo em que protestam contra a violação dessa dignidade por meio da guerra, pobreza e outras injustiças.

A imagem em destaque no começo dessa matéria é um registro do trabalho do Sebastião Salgado.

Afronautas

É um documentário ficcional da fotógrafa Cristina de Middel sobre um fracassado programa espacial criado em Zâmbia nos anos 1960. A artista imagina como seriam as imagens se o país africano tivesse recebido os recursos necessários para as suas pesquisas.

The Afronauts by Cristina De Middel from DEVELOP Tube on Vimeo.

"As imagens são belas, e a história é agradável a princípio, mas é baseada no fato de que ninguém acredita que a África algum dia chegará à Lua. O projeto esconde uma sutil crítica à nossa visão de todo o continente e aos nossos preconceitos”

Cristina de Middel

O responsável por esse programa era o professor Edward Makuka Nkoloso. Ele reuniu voluntários para sua equipe de afronautas, sendo uma mulher a candidata escolhida para o primeiro voo do Programa Espacial da Zâmbia quando nem os americanos cogitavam mandar mulheres ao espaço.

Em 1969 com a chegada do Homem na Lua, o projeto foi abandonado, o Centro Espacial demolido e Nkoloso trabalhou o restante da sua vida promovendo a ciência e a educação e defendendo que a Zâmbia poderia ser um grande país. O professor é um dos ícones do Afrofuturismo, movimento cultural que parte da perspectiva negra para abordar dilemas atuais dos negros e da diáspora africana através de diferentes manifestações artísticas e narrativas de ficção científica.

E você, costuma pensar na história por trás da imagem que cria, ilustra ou modela?
O que as imagens contam sobre seus personagens e cenários?

Link do post copiado para a sua área de transferência

Enviar Comentário

Como outras linguagens artísticas podem ser importantes para o meu repertório?

Listamos alguns motivos para você incluir a pesquisa por outras expressões de arte na sua rotina. Ah, por falar nesse Ler mais

Preciso de Faculdade para ser Artista?

Com certeza, em algum momento da sua jornada como artista, você deve ter tido algum questionamento parecido com esses: uma Ler mais

O Guia do Character Design

Design de personagens é uma das maiores paixões dos artistas, sejam eles de 2D ou de 3D, com certeza! E, Ler mais

Como criar seu próprio mundo

Oi, se você é artista e assim como eu gosta de escrever já deve ter se perguntado. “Como eu crio Ler mais